MARLUI MIRANDA – voz, percussão, flautas-indígenas brasileiras

Cantora, compositora e pesquisadora é reconhecida por interpretar, difundir e valorizar a cultura e a musica indígena do Brasil. Recebeu os prêmios da Academia Alemã de Crítica (SchallplattenKritik) em 1996 pelo CD “IHU, Todos os Sons”; o Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente, do MMA em 2005; e a Ordem do Mérito Cultural do MINC em 2002. Marlui Miranda dirige a Associação IHU Pro Música e Arte Indígenas, uma instituição cultural privada sem fins lucrativos. Apresentou-se e gravou com nomes expressivos da musica brasileira: Egberto Gismonti, Gilberto Gil, Nana Vasconcellos, Rodolfo Stroeter e  participou de gravação e tournée com Jack DeJohnette e John Surman.

Trabalhou em filmes e documentários, recebendo o prêmio de melhor trilha sonora pelo filme de Luiz Alberto Pereira, “Hans Staden”, em 2002. Trabalhou com Hector Babenco/Saul Zaentz (Amadeus, The English Patient) no filme de longa metragem “Brincando nos Campos do Senhor”em 1992. Apresenta-se com freqüência na Europa e Estados Unidos. Foi professora visitante na Chicago University pela Tinker Foundation em 1993, Dartmouth College em 2001 e 2003; Artista-em–residência na Indiana University em 2001 e 2007 e no Dartmouth College; realizou apresentação musical na Universidade de Londres; foi Montgomery Fellow / Dartmouth College, 2003.

Recebeu a bolsa da The John Simon Guggenheim Memorial Foundation para seu projeto de pesquisa e composição “IHU, a Preservacão e Recriacão da Musica Indigena do Brasil” em 1986 e pelo Map Fund – The Rockefeller Foundation em 1995, para a première do projeto “IHU”.

Sua produção e CDs inclui vários títulos: “Olho D`Água” (Warner -1979); “Revivência” (Memória, 1986); “Rio Acima” (Memória, 1989); “Paiter Merewa” (Memória, 1987); “IHU, Todos os Sons” (Pau Brasil, 1995); “IHU, Todos os Sons” – Partituras (Árvore da Terra, 1995); “Kewerê –Rezar” (Pau Brasil 1997); “Ponte entre Povos” (SESC-SP 2005).